Dicionário - Verbetes

DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO

Autor: HORMINDO PEREIRA DE SOUZA JÚNIOR

“Subdividir um homem é executá-lo, se merece a pena de morte; é assassiná-lo se não a merece. A subdivisão do trabalho é o assassinato de um povo.” (MARX, 1984, p.416).

Como é fundamental e fundante na Ontologia do Ser Social marxiana, Marx nos oferece a explicitação da categoria Divisão Social do Trabalho em sua dinamicidade histórica. Ou seja, a Divisão Social do Trabalho não é um conceito, é uma categoria que se move ao longo da história.

Para tratar da Divisão Social do Trabalho, diz-nos Marx: “Estudamos, inicialmente, a origem da manufatura, a seguir, seus elementos simples, o trabalhador parcial e suas ferramentas, e, por fim, o conjunto de seu mecanismo. Examinaremos agora rapidamente a relação entre a divisão manufatureira do trabalho e a divisão social do trabalho que constitui o fundamento geral de toda a produção de mercadoria.” (MARX, 1984, p.402).

A Divisão do Trabalho é uma condição necessária ao regime de produção de mercadorias.

Há duas divisões de trabalho inteiramente diversas a serem consideradas:

1) a divisão social do trabalho entendida como o sistema complexo de todas as formas úteis diferentes de trabalho. Ou seja, no caso do capitalismo, uma divisão do trabalho que se dá na troca entre capitalistas individuais e independentes que competem uns com os outros.

2) A divisão do trabalho entre trabalhadores, onde cada um executa uma operação parcial de um conjunto de operações, cujo resultado é o trabalho coletivo.

Ou seja, há uma divisão do trabalho na troca e uma divisão do trabalho na produção.

São mutuamente relacionadas, porém, suas origens e seu desenvolvimento são diferentes: a) a divisão do trabalho na sociedade (na troca) requer uma distribuição ampla dos meios de produção entre grande número de produtores independentes; b) A divisão do trabalho no seio da produção pressupõe a concentração dos meios de produção como propriedade privada exclusiva dos capitalistas.

Nesse sentido, a divisão capitalista do trabalho estabelece uma separação radical entre os tipos de atividade e os tipos de aprendizagem, prolongando-se em uma divisão social e técnica que interfere no desenvolvimento do indivíduo, constituindo um ponto-chave no qual se produz a exploração dos trabalhadores.

Portanto, é fundamental a união entre educação e trabalho desde que entendamos a educação como fazendo parte do processo de produção do homem e de seu meio.

A par da brutalidade do capitalismo, não podemos acreditar que as crianças tenham somente que estudar, nem acreditar que seu lugar deva ser somente as salas de aula.

BIBLIOGRAFIA:

BOTTOMORE, T. Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1983.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Difel, 1984.

A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | L
M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V

Dica de pesquisa: não use acentos!



Verbetes Relacionados

----- A -----

----- B -----

----- C -----

----- D -----

----- E -----

----- F -----

----- G -----

----- H -----

----- I -----

----- O -----

----- P -----

----- R -----

----- S -----

----- T -----



gestradoufmg@gmail.com
TEL.: +55   31   3409.6372
 


AV. ANTÔNIO CARLOS, 6627
BELO HORIZONTE - MG - BRASIL
CEP: 31270-901
HOME
QUEM SOMOS
APRESENTAÇÃO
PESQUISADORES
PARCEIROS
CONTATO
PESQUISAS
PUBLICAÇÕES
ARTIGOS
LIVROS
TESES E DISSERTAÇÕES
OUTRAS PUBLICAÇÕES
NOTÍCIAS
EVENTOS
DICIONÁRIO
APRESENTAÇÃO
VERBETES
SOBRE OS AUTORES
AGRADECIMENTO
DEDICATÓRIA